Cartões de estacionamento para idosos e PCDs – Curitiba

Você idoso ou pessoa com deficiência já teve dores de cabeça com vagas de estacionamento? Esse seu direito foi injustamente questionado alguma vez? Ou em muitas ocasiões, viu cidadãos que não se enquadram em nenhum desses dois grupos utilizarem essas vagas de forma ilegal?

20111212060850img-credenciais

Se a resposta das três perguntas for sim, saiba que existe um cartão de estacionamento criado para regulamentar o uso desses espaços. Saiba como obter esse documento de acordo com o estado onde você vive.

CURITIBA

No caso dos paranaenses de Curitiba, as pessoas com deficiência ou os idosos deverão fazer um rápido cadastro via internet,  Clicando aqui , para posteriormente agendar dia e horário para comparecer a SETRAN (Secretaria de Trânsito), apresentar os documentos listados abaixo, que serão autenticados, permitindo que o interessado  retire a credencial.

Endereço:  Rua Benjamin Constant, 157 – Centro

Horário de funcionamento: 8h30 às 17h

Documentos necessários:

– Número do protocolo gerado após a realização do cadastramento;

– CNH (caso o credenciado seja o condutor)

– RG ou outro documento a ele equiparado, que contenha data de nascimento e filiação;

– Comprovante de residência que contenha o CEP da rua (pode ser apresentada pelo credenciado ou responsável;

– Só para PCDs: Laudo médico do DETRAN ou um declaração assinada pelo profissional da medicina que acompanha o solicitante, constando o grau da deficiência atualizado.

OBS: Para a utilização das vagas reservadas para idosos ou pessoas com deficiência é necessário apresentar dois cartões, o que comprova o direito de usar essas vagas e o que pertence ao estacionamento local.

cartaocuritiba

_______________

Texto de Alexandre dos Santos Gouveia

Alexandre dos Santos Gouveia é formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero, foi estagiário da equipe de comunicação do Banco Santander, atuou em rádios como comentarista esportivo e já participou de trabalhos voluntários ligados à prática do futebol. Atualmente é assistente administrativo de comunicação da Zurich Seguros.

Rumo ao progresso

Desde o ano passado, alguns grupos sociais têm dado passos largos na conquista de novos direitos. E nós não ficamos para trás.

Você, portador de deficiência, assim como muitos trabalhadores, sofre pensando no longo tempo restante, antes de conseguir sua merecida aposentadoria após anos de dedicação e suor? Fique calmo, agora esse período será menor!

Acha que estou brincando? É verdade! Em dezembro de 2013 foi regulamentada a Lei Complementar (142/2013), responsável pela diminuição da idade e do tempo mínimo de contribuição, para que seja concedida a aposentadoria de trabalhadores como você.

Confira as determinações da Lei nas tabelas abaixo:

Classificação da deficiência

Anos de contribuição para os homens

Anos de contribuição para as mulheres

Grave

25

20

Moderada

29

24

Leve

33

28

(Obs: Leia aqui o Decreto para saber quais deficiências se encaixam em cada categoria).

 Aposentadoria por idade
 Homens (60 anos) com contribuição de 15 e porte da deficiência durante o  período
 Mulheres (55 anos) com contribuição de 15 e porte da deficiência durante  o período

E aí, o que achou? Pelo menos a situação melhorou um pouquinho, vai?

Se você, leitor, tem de 15 a 29 anos, sendo legalmente considerado um jovem, trago boas notícias!

O Estatuto da Juventude (Lei 12.852/2013) foi aprovado e passa a vigorar no próximo mês. Prepare-se para por a boca no trombone! Serão criados Conselhos em diversos âmbitos, dispostos a ouvir seu posicionamento em relação a uma série de decisões coletivas, aumentando também sua liberdade de escolha e atuação em diferentes áreas. Não perca a chance de fazer diferença no mercado de trabalho, na saúde ou na educação! Você é parte importante do futuro brasileiro!

Ao saber disso, você, leitor idoso, sentiu saudade dos seus tempos de jovem? Não fique assim! Também tenho boas novidades para ti!

De acordo com a nova Lei 12896/2013, todo o idoso que estiver doente e precisar de um laudo médico, por interesse do poder público, pode pedir atendimento domiciliar ou, em caso de interesse próprio, nomear um procurador para representá-lo, dirigindo-se ao órgão público para resolver o assunto pendente. Adeus dor de cabeça, não é?

Fechando o pacote de novas leis, entro num tema importante para todos vocês: a meia-entrada. Agora, com a nova Lei 12933/2013, não apenas estudantes e idosos, mas também pessoas com deficiência, seus acompanhantes e jovens de 15 a 29 anos com renda familiar de até dois salários mínimos, que se inscreverem no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) têm direito ao benefício quando forem a eventos culturais ou esportivos. Estão sentindo os bolsos mais largos?

cadeira-de-rodas-rock-in-rio-iron-maiden

Os organizadores dos eventos devem reservar 40% dos ingressos para membros desses grupos, publicando todas as informações relacionadas à venda e produzindo relatórios que disponibilizem esses números para entidades que farão um importante papel de fiscalização, por defenderem os beneficiados com a norma.

Que essas novas ordens nos levem ao progresso, honrando o lema de nossa bandeira! Temos mais uma prova de que conquistar um direito é demorado e árduo, mas possível se todos nós soubermos como acessar, divulgar informações e principalmente, cobrar dos responsáveis o respeito e a legitimação das normas perante a sociedade.

Sigamos em frente, melhorando a cada dia!

Referências:

http://www12.senado.gov.br/noticias/materias/2014/01/20/jovens-idosos-e-pessoas-com-deficiencia-conquistam-novos-direitos

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/LCP/Lcp142.htm

http://www.normaslegais.com.br/legislacao/lei-12852-2013.htm

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12896.htm

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12933.htm

___________________

Texto de Alexandre dos Santos Gouveia

Alexandre dos Santos Gouveia é formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero, foi estagiário da equipe de comunicação do Banco Santander, atuou em rádios como comentarista esportivo e já participou de trabalhos voluntários ligados á prática do futebol.

PCD’s da ficção

A ficção tem por função criar uma realidade alternativa, que pode se aproximar ou não da realidade que conhecemos. Filmes e livros de ficção são muito populares, e seus personagens têm personalidades cativantes. A lista a seguir mostra alguns personagens com alguma deficiência que se tornaram muito populares, instigando e desafiando preconceitos.

 Charles Xavier

charles-xavier-pcd-da-ficcao-esta-vaga-nao-e-sua

O professor X é um personagem da série de quadrinhos X-Men, que tem também adaptação para cinema e como uma série animada. Ele é um mutante, e seus poderes psíquicos fazem com que seu cabelo caia, fazendo com que ele se torne calvo muito jovem. No filme X-Men: Primeira Classe, uma bala desviada por Magneto causa sua paralisia, enquanto nos quadrinhos ela é causada por uma rocha. Charles Xavier dedica sua vida ao Instituto Xavier, onde ele ajuda outros mutantes a lidarem com seus poderes, mantendo-os em sigilo.

Monte Wildhorn

monte-wildhorn-pcd-ficcao-esta-vaga-nao-e-sua

Interpretado por Morgan Freeman, Monte Wildhorn é um escritor norte-americano muito famoso que luta contra o alcoolismo. Ele passa o verão em uma pequena cidade, onde faz amizade com uma família, e deve tentar voltar a escrever. A paralisia física de Monte não é o foco do filme, e sim seu problema com o álcool e sua escrita – mas no decorrer do filme é possível observar adaptações que são necessárias para que ele consiga morar na casa dele, ou andar de ônibus, visitar pessoas.

 Turma da Mônica

turma-da-monica-pcd-da-ficcao-esta-vaga-nao-e-sua

A Turma da Mônica foi criada em 1959, e desde então vem fascinando não apenas crianças, apesar de este ser seu público-alvo, mas todo mundo. A preocupação do papel da literatura infantil (neste caso, quadrinhos e até mesmo os filmes) na formação da opinião da criança é bem importante na criação das histórias da Turma da Mônica, e alguns dos personagens que fizeram sucesso foram Luca (2004), um menino cadeirante cuja cadeira de rodas é aprimorada por Franjinha e que gosta muito de jogar basquete, Dorinha (2004), uma menina cega que está sempre lançando tendências de moda no bairro, Humberto (1960), que é mudo e se comunica por linguagem de sinais. Outros personagens que aparecem menos, com autismo e outra com síndrome de Down, também foram criados com o objetivo da conscientização. Os quadrinhos mostram que, independente das deficiências, são crianças perfeitamente normais e reforçam a disseminação de uma interação livre de preconceitos.

 Bran

bran-game-of-thrones-pcd-ficcao-esta-vaga-nao-e-sua

A série Game of Thrones foi recentemente premiada pela retratação de um personagem com deficiência na série – o menino Bran, que fica paralítico logo no primeiro episódio da série (primeiro livro da coleção As crônicas de Gelo e Fogo, de George R. R. Martin) ao ser jogado do alto. Ele possui alguns poderes de premonição, e é sempre auxiliado por Hodor e acompanhado por seu lobo gigante Verão. Filho de Eddard Stark e Catelyn Tully, ele é um dos personagens principais (que, nos livros, tem um ponto de vista em primeira pessoa em quase toda a coleção).

Sam

sam-pcd-ficcao-esta-vaga-nao-e-sua

Se você assistiu a Sessão da Tarde no SBT, é possível que tenha visto este filme – Uma lição de amor (I am Sam), que trata de um homem (Sam Dawson) que tem atraso cognitivo, e possui uma filha, Lucy, uma garota inteligente e gentil. Sam cria sua filha com a ajuda de seus amigos, mas, quando ela faz sete anos, começa a ultrapassar a capacidade intelectual de seu pai, e se recusa a aprender na escola, não querendo ser mais inteligente do que Sam. Essa situação faz com que a assistência social queira colocar Lucy num orfanato, convencida de que Sam não tem condições de cuidar da menina. Com a muito relutante ajuda da advogada Rita Harrison, Sam luta para conseguir a guarda de sua filha. O filme é muito comovente e humano, e nos faz questionar o preconceito quando se lida com alguém com atraso cognitivo – a capacidade de amar, cuidar e ser gentil independe da intelectualidade de uma pessoa.

Forrest Gump

forrest-gump-pcd-ficcao-esta-vaga-nao-e-sua

O filme Forrest Gump conta a história do personagem homônimo, contando sua história através de décadas. Forrest tinha um QI baixo e problemas na coluna (que o faziam usar aparelhos nas pernas), e sua mãe sempre fez o possível para que ele não se sentisse diferente. No decorrer de sua vida, Forrest conhece personagens históricos e chega mesmo a influenciar em diversos eventos; o aparelho das pernas acaba inspirando a dança de Elvis Presley, encontra o presidente John Kennedy depois de seu time de futebol americano ser chamado à Casa Branca; em uma entrevista, a visão que Forrest tinha da China inspirou a música Imagine de John Lennon, e mais. O filme é ligeiramente diferente do livro em que se baseia, e ganhou 6 Oscars.

Matt Murdock

murdock-pcd-ficcao-esta-vaga-nao-e-sua

Personagem das HQs da Marvel, teve uma adaptação para filme (Demolidor – O Homem sem Medo) interpretado por Ben Affleck. Quando criança, Matt sofreu um acidente e ficou cego, mas seus outros sentidos se desenvolveram, tornando-se tão aguçados que ele pode perceber tudo o que acontece ao seu redor perfeitamente. Seu pai foi assassinado pelo Rei do Crime, e Matt jura vingança, e então começa a fazer artes marciais e à noite se torna o justiceiro mascarado – O Demolidor.

Super Normais

super-normais-pcd-ficcao-esta-vaga-nao-e-sua

(Série que retrata pessoas reais). Essa série de quadrinhos se espelha em pessoas reais, tratando o assunto de suas deficiências de uma forma ácida e aberta. Suas tirinhas são publicadas no Facebook, na página oficial dos Super Normais. O humor é inteligente e os personagens possuem um traço de desenho marcante. Esses quadrinhos mostram que a deficiência pode ser tratada com naturalidade numa conversa normal, sem que haja desconforto ou eufemismos. Nesse caso, os personagens são reais, e um deles é a pessoa que inspirou o início de toda a nossa campanha, Mirella Prosdócimo.

Philippe

philippe-intocaveis-pcd-ficcao-esta-vaga-nao-e-sua

(Filme baseado em fatos reais). Entre lágrimas e risos, esse filme é uma comédia muito gostosa de ver. Philippe (François Cluzet), multimilionário que após sofrer um grave acidente fica tetraplégico e contrata Driss (Omar Sy), recém saído da prisão e sem experiência em cuidar de pessoas no seu estado. Aos poucos ele aprende a função, apesar das diversas gafes que comete (ele até joga água fervendo na perna de Philippe para ter certeza de que ele não sente nada). Philippe, por sua vez, se afeiçoa cada vez mais a Driss por ele não tratá-lo como um pobre coitado. Aos poucos a amizade entre eles se estabele, com cada um conhecendo melhor o mundo do outro.

Entre os filmes baseados em fatos reais, pode-se citar: O Escafandro e a Borboleta (Le Scaphandre et le Papillon), O Solista (The Soloist), O Óleo de Lorenzo (Lorenzo’s Oil), Ray (Ray), Uma Mente Brilhante (A Beautiful Mind), O Milagre de Anne Sullivan (The Miracle Worker), Hasta la Vista (Hasta la Vista, apesar de os personagens serem fictícios, a ideia do filme é baseada em experiências da vida de Asta Philpot).

Existem muitos exemplos de quadrinhos, filmes, livros, séries com personagens com deficiência, e alguns são criados e imaginados com o propósito educativo de destruir o preconceito, alguns de expô-lo. Alguns têm por centro da história a deficiência em si, e em outros, a deficiência é só parte da história do personagem. Em ambos os casos, todos os filmes, quadrinhos, etc são muito interessantes, e de gêneros bem variados. Vale a pena assistir ou ler um deles, e buscar abrir a própria mente para se livrar de preconceitos.

Fontes:

http://www.ecofinancas.com/noticias/turma-monica-publica-edicao-especial-acessibilidade

http://www.vidamaislivre.com.br/especiais/materia.php?id=5328&/o_desenhista_mauricio_de_sousa_fala_sobre_a_criacao_de_personagens_com_deficiencias

http://www.gazetadopovo.com.br/blogs/inclusilhado/novos-personagens-com-deficiencia-invadem-as-historias-em-quadrinhos/

http://pt.wikipedia.org/wiki/I_Am_Sam

http://www.deficiente.com.br/index.php/38-acessibilidade/1193-geoffrey-enthoven-conta-como-retratou-os-personagens-com-deficiencia-fisica-de-hasta-la-vista

http://pt.wikipedia.org/wiki/Demolidor_-_O_Homem_sem_Medo

http://pt.wikipedia.org/wiki/Intouchables

___________________

Texto de Natália Jaeger

Natália é estudante de Engenharia Elétrica na Universidade Tecnológica Federal do Paraná e escritora por paixão. Já trabalhou como professora voluntária para o projeto CREAÇÃO, e fez um ano de intercâmbio nos Estados Unidos.

O trabalho e a formação da PCD

O desemprego entre pessoas com deficiência chega a assustadores 52% [1].

Não é novidade que existe uma grande dificuldade em se inserir no mercado de trabalho quando isso exige adaptação e preparação por parte dos contratantes, e, embora esse cenário venha se modificando notoriamente, ainda é muito menos integrante do que poderia ser.

mercado-de-trabalho-pessoa-com-deficiencia-esta-vaga-nao-e-sua-nem-por-um-minuto

A falta de acessibilidade e informação por parte dos contratantes é um obstáculo muito grande. Esses obstáculos vêm desde a educação, que é muito prejudicada entre PCDs*, e mais de 78% [1] da população com deficiência tem 7 anos de educação ou menos. O despreparo na educação reflete de modo muito negativo, e causa uma dificuldade ainda maior para a potencial população com idade para ingressar no mercado de trabalho.

A regularização da Lei de Cotas para a contratação de pessoas com deficiência auxilia na oferta de empregos, mas a passos mais lentos do que se gostaria. Segundo uma pesquisa realizada em Santa Maria, RS, [2] o número de empresas que não estão a par da Lei de Cotas, e desconhecem como aplicá-la é grande. Muitas não se comprometem com a empregabilidade de PCDs.

O ambiente de trabalho em que se encontra o trabalhador com deficiência também precisa ser modificado, levando em consideração o tipo de deficiência, de modo que até mesmo a apresentação de documentos tenha de ser modificada (para Braille, por exemplo). Detalhes que fazem uma diferença crucial na inclusão do trabalhador. E mesmo que a empresa forneça acessibilidade adequada, ainda assim o trabalhador com deficiência precisa enfrentar discriminação e falta de informação, fator que deve ainda ser trabalhado pelo contratante com os colegas de trabalho e supervisores.

mercado-de-trabalho-pessoa-com-deficiencia-esta-vaga-nao-e-sua-nem-por-um-minutoA oferta de cursos profissionalizantes muitas vezes negligencia a capacidade da pessoa com deficiência. Em Sorocaba, por exemplo, [4] são ofertados cursos como Biscuit, Crochê e Bijuteria. A formação nessas áreas é interessante, mas abranger as áreas ofertadas seria uma opção muito melhor. A carência de ofertas na educação é um fator limitante muito grave, e as pessoas com deficiência têm uma capacidade e potencial que faria a diferença no mercado, caso as devidas medidas fossem tomadas.

O que seria do Brasil, se milhões de pessoas com deficiência fossem capacitadas tal como suas habilidades e potencial permitem, e se houvessem ofertas de trabalho que condissessem com essa formação? E o que seria dessas pessoas, se tivessem essa oportunidade?

Há um espaço muito grande para melhoria. E ela vem ocorrendo, mas é preciso fazer muito mais ainda.

Contratar pessoa com deficiência, dependendo da dimensão da empresa, não é responsabilidade social. É obrigatoriedade. É inclusão social!
Lei nº 8.213, de 1991

* Pessoas com Deficiência

[1] http://portal.mte.gov.br/data/files/FF8080812BAFFE3B012BB0039E632D44/febraban.pdf

[2] http://bento.ifrs.edu.br/site/midias/arquivos/201007111045971tania_dubou.pdf

[3] http://www.portaldaempresa.pt/CVE/pt/FerramentasdeApoio/Guiao/listagem_gui_gestao/gui_valor_acrescentado_cidd_deficiencia.htm?Stage=4 [4] http://www.deficientefisico.com/a-questao-chave-na-empregabilidade-do-deficiente/

[4] http://www.deficientefisico.com/a-questao-chave-na-empregabilidade-do-deficiente/

___________________

Texto de Natália Jaeger

Natália é estudante de Engenharia Elétrica na Universidade Tecnológica Federal do Paraná e escritora por paixão. Já trabalhou como professora voluntária para o projeto CREAÇÃO, e fez um ano de intercâmbio nos Estados Unidos.

Viver sem Limite

O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência – Viver sem Limite foi lançado pela nossa presidente Dilma Roussef em 2011 para ressaltar o compromisso do Brasil com as prerrogativas da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, da ONU.

O plano tem ações desenvolvidas por 15 ministérios e a participação do Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Conade), que trouxe as contribuições da sociedade civil. O Viver sem Limite envolve todos os entes federados e prevê um investimento total de R$ 7,6 bilhões até 2014.

Confira o primeiro balanço do Plano:

Viver sem Limite

Confira a cartilha aqui.

 

Via.