Atualizações

 

Confira as atualizações diárias da campanha Esta Vaga Não é Sua Nem Por 1 Minuto! em nossa página no Facebook.

 

 

 

Ser cadeirante

por Leticia Oliveira

 

 

Ser cadeirante é ter o poder de emudecer as pessoas quando você passa.

Ser cadeirante é não conseguir passar despercebido, mesmo quando você quer sumir! E ser completamente ignorado quando existe um andante ao seu lado. E isso não faz sentido, as pernas e os braços podem não estar funcionando bem, mas o resto está!

Ser cadeirante é amar elevadores e rampas e detestar escadas… Tapetes? Só se forem voadores, por favor! Ser cadeirante é andar de ônibus e se sentir como um “Power Ranger” a diferença é que você chega ao ponto e diz: “é hora de MOFAR”.

Ser cadeirante é ter alguém falando com você como se você fosse criança, mesmo que você já tenha mais de duas décadas.

Ser cadeirante é despertar uma cordialidade súbita e estabanada em algumas pessoas. É engraçado, mas a gente não ri, porque é bom saber que ao menos existem pessoas tentando nos tratar como iguais e uma hora eles aprendem!

Ser cadeirante é conquistar o grande amor da sua vida e deixar as pessoas impressionadas… E depois ficar impressionado por não entender o porquê do espanto.

Ser cadeirante é ter uma veia cômica exacerbada. É fato, só com muito bom humor pra tocar a vida, as rodas e o povo sem noção que aparece no caminho.

Ser cadeirante e ficar grávida é ter a certeza de ouvir: “Como isso
aconteceu?” Foi a cegonha, eu não tenho dúvidas! Os pés de repolho não são acessíveis! Ser cadeirante é ter repelente a falsidade. Amigos falsos e cadeiras são como objetos de mesma polaridade se repelem automaticamente.

Ser cadeirante é ser empurrado por ai mesmo quando você queria ficar parado. É saber como se sentem os carrinhos de supermercado! Ser cadeirante é encarar o absurdo de gente sem noção que acha que porque já estamos sentados podemos esperar, mesmo!

Ser cadeirante é uma vez na vida desejar furar os quatro pneus e o step de quem desrespeita as vagas preferenciais.

Ser cadeirante é se sentir uma ilha na sessão de cinema… Porque os espaços reservados geralmente são um tablado ou na turma do gargarejo e com uma distancia mais que segura pra que você não entre em contato com os outros andantes, mesmo que um deles seja seu cônjuge!

Ser cadeirante é a certeza de conhecer todos os cantinhos. Porque Deus do céu, todo mundo quer arrumar um cantinho para nós?

Ser cadeirante é ter que comprar roupas no “olhômetro” porque na maioria das lojas as cadeiras não entram nos provadores Ser cadeirante é viver e conviver com o fantasma das infecções urinárias. E desconfio seriamente que a falta de banheiros adaptados contribua para isso.

Ser cadeirante é se sentir o próprio guarda volumes ambulante em passeios pelo shopping Ser cadeirante é curtir handbike, surf, basquete e outras coisas que deixam os andantes sedentários morrendo de inveja. Ser cadeirante é dançar maravilhosamente, com entusiasmo e colocar alguns “pés-de- valsa” no bolso…

Ser cadeirante é ter um colinho sempre a postos para a pessoa amada… E isso é uma grannndeeee vantagem! Ser cadeirante (e mulher) é encarar o desafio de adaptar a moda pra conseguir ficar confortável além de mais bonita.

Ser cadeirante é se virar nos trinta pra não sobrar mês no fim do dinheiro, porque a conta básica de tudo que um cadeirante precisa… Ai… Ai… Ai… Essa merece ser chamada de Dolorosa.

Ser cadeirante é deixar um montão de médicos com cara de: “e agora o que eu faço” quando você entra pela porta do consultório… Algumas vezes é impossível entrar, a cadeira trava na porta…

Ser cadeirante é olhar um corrimão ou um canteiro no meio de uma rampa, ou se deparar com rampas que acabam em um degrau de escada e se perguntar: Onde estudou a criatura que projetou isso? Será mesmo que estudou?

Ser cadeirante é ter vontade de grudar alguns políticos em uma cadeira por um dia e fazer com que eles possam testar os lugares que enchem a boca pra chamar de acessíveis…

Ser cadeirante é ir à praia mesmo sabendo que cadeiras + areia + maresia não são uma boa combinação! Ser cadeirante é sentir ao menos uma vez na vida vontade de sentar no chão e jogar a cadeira na cabeça de outro ser humano.

 

Leticia Oliveira

Curitiba lança campanha de conscientização

A Fundação de Ação Social (FAS), o Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência e a Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Curitiba lançaram nesta semana uma campanha de conscientização e cidadania.

“O objetivo é sensibilizar os curitibanos sobre valores que melhoram a qualidade de vida das pessoas com deficiência”, explica Marry Ducci, presidente da FAS.

Mauro Nardini, presidente do Conselho da Pessoa com Deficiência, lembra que ainda há preconceito gerado pela falta de informação sobre assuntos relacionados a pessoas com deficiência.

“Apesar da legislação, a pessoa portadora de deficiência física enfrenta grandes desafios, como falta de estrutura que impede a acessibilidade, obstáculos físicos , guias não rebaixadas e  ônibus adaptados que não atendem a demanda, entre outras dificuldades”, diz.

Quatro mensagens são divulgadas na campanha: “Não bloqueie as guias rebaixadas”; “Dê preferência ao embarque e desembarque do ônibus”; “Dê preferência na travessia elevada de pedestre” e “Não pare em vagas preferenciais”.

Além de cartazes e divulgação no mobiliário urbano, foram produzidos 50 mil adesivos que estão sendo distribuídos à população com a frase: EU RESPEITO.

Mais informações sobre a campanha podem ser obtidas na secretaria executiva dos conselhos, na FAS, pelo telefone (41) 3250-7918.

 

Fonte: Agência de Notícias da Prefeitura de Curitiba

Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência será lançado no Paraná

O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência – Viver Sem Limite será lançado no Paraná, no dia 13 de agosto. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (07/05), em Curitiba, pela ministra Maria do Rosário Nunes, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Ela participou de uma reunião com autoridades e técnicos do governo paranaense responsáveis pelas políticas públicas para pessoas com deficiência no Estado.

Lançado pela presidente Dilma Rousseff em novembro do ano passado, o plano reúne ações estratégicas em educação, saúde, cidadania e acessibilidade. Segundo a ministra, o Viver Sem Limite articula e organiza ações já desenvolvidas no âmbito do governo federal e que foram aprimoradas e fortalecidas para eliminar barreiras e permitir o acesso da população com deficiência a bens e serviços.

Durante o encontro, a secretária da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, Maria Tereza Uille Gomes, apresentou as ações desenvolvidas pelo Governo do Paraná no setor. Também anunciou que o governador Beto Richa vai assinar o decreto que cria o plano Viver Sem Limite Paraná. “Isso demonstra o compromisso do governo estadual com as pessoas com deficiência e seus familiares”, disse.

Maria Tereza expôs uma ampla pauta de projetos em andamento no Paraná. Entre eles os Pontos Focais de Atendimento (responsáveis por ações de atenção especial à pessoa com deficiência, como a adaptação de espaços públicos para a acessibilidade) e o Estatuto da Pessoa com Deficiência, que vem sendo discutido com a sociedade civil e deve ser transformado em lei ainda neste ano. A secretária e o vice-governador Flávio Arns, que coordenou a reunião, entregaram à ministra o documento base do estatuto.

PLANO NACIONAL – “O Viver Sem Limite tem um olhar especial, voltado às famílias empobrecidas. Também quebra um paradigma no Brasil, pois é construído com a sociedade, e não para a sociedade”, disse a ministra. Segundo ela, o projeto é baseado em quatro eixos: acessibilidade, educação, saúde e assistência social. “O plano quer mudar as barreiras arquitetônicas e as barreiras criadas pelo preconceito”.

A reunião também contou com a participação dos secretários da Saúde, Michele Caputo Neto, do Trabalho, Luiz Cláudio Romanelli, e da secretária da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa, entre outras autoridades.

 

Fonte: Agência de Notícias do Paraná

RBTRANS renova a sinalização das vagas especiais

Para manter a garantia da reserva de 5% das vagas dos estacionamentos públicos para idosos e de 2% para deficientes físicos previstas em Lei, a RBTRANS renova permanentemente a sinalização das vagas especiais. A novidade para este ano é a aplicação do material “laminado elastoplástico” utilizado na sinalização horizontal de pavimentos.

Segundo a engenheira Aline Louise, chefe da Divisão de Engenharia da RBTRANS, o material é antiderrapante, possui alta retro-refletividade, resultado da presença de micro esferas de vidro, permitindo assim boa visualização tanto de dia quanto a noite, sendo ainda aplicado de forma rápida, já que a instalação se dá por meio de adesivo de contato.

Campanhas educativas e fiscalização continuam

Estas ações fazem parte do compromisso da RBTRANS com as Campanhas: “Esta Vaga Não é Sua Nem por um Minuto” e “Vagas para Idosos – Eu Respeito”, que foram lançadas em setembro do ano passado em parceria com o Ministério Público Estadual, Polícia Militar e DETRAN.

Também têm direito de estacionar o carro nas vagas especiais os motoristas que transportem esses usuários. Aqueles que ocuparem as vagas indevidamente serão multados e poderão ter o veículo guinchado pela Polícia Militar e DETRAN que continuam os serviços de fiscalização. Quem for flagrado estacionado irregularmente nas vagas recebe multa de R$ 53,20, tem 03 pontos na CNH e o veículo removido.

 

Fonte: Banzeiro