Deficiência tem prevenção?

 

Por Rafael Bonfim
Publicado em Gazeta do Povo

 

Um dos pontos mais esquecidos quando falamos sobre inclusão é a deficiência adquirida. Colocar o tema inclusão em pauta tem muito a ver com discutir medidas voltadas ao atendimento da pessoa que já tem deficiência, mas, fala-se pouco sobre as causas desse quadro. Esse assunto não poderia estar tão à margem desse debate, porque ele provocaria uma reviravolta no olhar para a pessoa com deficiência.

Essa ideia é muito palpável para mim e, infelizmente, eu encontrei dados relacionados apenas à deficiência física. Não posso afirmar se dentre os quadros adquiridos, as limitações motoras são as mais frequentes, mas, deveriam ser pelo menos, as que mais preocupam. Entenda porque:

Casos de invalidez permanente entre trabalhadores vítimas de acidentes de trânsito se multiplicaram por quase cinco entre 2005 e 2010, passando de 31 mil para 152 mil por ano.

Nos primeiros nove meses de 2011, houve novo aumento de 52%, para 166 mil, segundo números do DPVAT, seguro obrigatório pago por proprietários de automóveis. Os dados revelam que a maioria dos acidentados (mais de 70% dos casos em 2011) usava moto e está em plena idade economicamente ativa, entre 18 e 44 anos.

O quadro preocupa a Previdência Social, que teme ter de arcar com os custos de uma geração de jovens aposentados por incapacidade. Projeções apontam que o INSS gastou R$ 8,6 bilhões com benefícios gerados por acidentes de trânsito. A cifra representa 3,1% de todas as despesas previdenciárias.

Essa notícia me fez lembrar de um dos primeiros textos que escrevi aqui no blog. Em maio de 2010 eu entrevistei o Rodrigo Board, um rapaz que no início dos seus 20 anos sofreu um acidente de trânsito e perdeu a movimentação das pernas. Rodrigo trabalhava como motoboy e estava redescobrindo suas possibilidades nessa nova condição.

O Rodrigo é um exemplo emblemático em um grupo que não para de crescer. Colocar a deficiência adquirida na roda de conversa não é só uma questão de prevenção. É a chance que nós temos de olharmos para uma pessoa com deficiência e abandonarmos o posicionamento de pena, de assistencialismo, ou de medo. É assumirmos que a deficiência está mais próxima do que imaginamos e que qualquer um de nós pode estar nessa condição amanhã.

Para entender mais sobre como essa postura pode mudar a sua visão sobre inclusão, leia a entrevista com Rodrigo Board, no texto Narração interrompidaClique aqui.

#Encontre o jornalista Rafael Bonfim no FacebookClique aqui para acessar o perfil.

Anúncios

Sobre Esta vaga não é sua nem por um minuto!

Uma campanha pelo respeito à sinalização para pessoas com deficiência. Faça parte deste movimento!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s